Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

    A memória é uma ferramenta complexa. Na maioria dos momentos, quando nos lembramos de algo, temos certeza que aquilo aconteceu. Preferimos esquecer que nossa percepção, o tempo e uma série de outros fatores e estímulos acabam alterando nossa visão do passado. Para auxiliar neste processo de certeza em relação ao que já passou e à memória nós tínhamos a fotografia. Digo tínhamos porque é cada vez mais claro, especialmente para quem pesquisa e produz fotografia, que estas imagens técnicas não são registros objetivos de uma realidade, mas sim recortes e opiniões sobre determinados temas e ocasiões. Nosso álbum de fotografias é, assim como nossa memória, consideravelmente ficcional.

    Talvez por essa relação complexa, a memória seja um dos grandes temas da fotografia, mostrando uma série de abordagens possíveis, das mais diretas às mais complexas. Dentro deste cenário, os trabalhos mais instigantes a lidar com a relação entre fotografia e memória são aqueles que tem consciência e colocam como assunto central do ensaio esta dualidade entre o desejo de registrar uma realidade e a inevitável construção de uma ficção.

Estefânia Gavina – This could have been good.
Estefânia Gavina – This could have been good.

Ao tomar a fotografia de família, de registro, como material bruto para a construção de narrativas fotográficas, as possibilidades criativas se tornam praticamente infinitas. As possibilidades de alteração de sentido e de forma destas imagens originais permitem uma transformação intensa do conteúdo original, mas sempre deixando dúvidas em quem vê as imagens: será que um dia isto foi verdade? O quanto do objetivo inicial destas fotografias ainda está presente nesta nova composição? O quanto posso confiar na minha memória, na memória destas imagens e nas histórias propostas pelo artista?

Em This Could Have Been Good Estefania Gavina coloca estas e uma série de outras dúvidas em nossa cabeça. O ensaio – desenvolvido à partir de imagens da família da artista e de incorporações de outros acervos fotográficos familiares, muitas vezes encontrados no lixo – nos leva para um universo de decomposição e reorganização da memória, criando colagens em que o surrealismo e a fantasia ditam o ritmo.

Estefania é uma artista argentina, radicada no interior do Estado de São Paulo, na cidade de Campinas. Entre idas e vindas ao seu país natal, Estefania conseguiu salvar um acervo de fotografias de sua avó, que seria jogado fora pela mãe da artista. Deste salvamento surgiu o primeiro lote de material para suas colagens e intervenções, além do título do trabalho, escrito por sua vó atrás de uma das fotografias. O título, aliás, é um dos pontos fortes deste ensaio. Sua construção como hipótese e desejo permite que as imagens sejam livres, buscando esta nova realidade, que poderia ser melhor do que a original. Além disso, a potência e a dureza do gesto da avó – que marca uma fotografia com a indicação de que sua vida e sua realidade poderiam ter sido boas – é fantástica.

Estefânia Gavina – This could have been good.

A construção de novos corpos e organizações formais é uma das estratégias mais interessantes usadas pela artista em seu processo de criação. Ao unir corpos, momentos e ambientes de imagens, épocas e famílias distintas, Estefania aproxima cada uma dessas imagens e escancara a potência ficcional e poética de sua união, desta criação de novos e mais envolventes mundos. Os pequenos trechos de texto e os números presentes nos versos das imagens também nos transportam, trazendo mais um elemento para a construção desta memória coletiva, forjada pela mão da autora ao unir universos tão distintos.

Ao abandonar a pretensa relação entre fotografia e realidade e – especialmente – entre memória e realidade, a artista se vê livre para criar o que bem entender, como bem entender e, ainda assim, preservando uma série de códigos que transpassam a construção de grande parte das famílias ocidentais e seus registros visuais. Ao dar novo sentido às imagens vernaculares que dão origem a obra, Estefania pode reinventar uma série de passados distintos, dando ares surrealistas a esta coleção de memória encontradas, descartadas por seus donos originais.

Estefânia Gavina – This could have been good.
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Felipe Abreu

Sou fotógrafo, editor, produtor de conteúdo e já fui videomaker. Edito desde 2011 a Revista OLD, que publica trabalhos de jovens fotógrafos e entrevista grandes nomes da fotografia. Além disso, minha produção autoral já foi apresentada nos principais festivais de fotografia do Brasil e já foi publicada nos EUA e Europa. Acabo de lançar meu primeiro fotolivro com a editora Vibrant e estou muito feliz com isso! Para finalizar, comecei a escrever sobre questões relacionadas a didática e processos criativos.